Dermatite herpetiforme: os desafios do diagnóstico e tratamento

Dublin Core

Título

Dermatite herpetiforme: os desafios do diagnóstico e tratamento

Assunto

A Dermatite herpetiforme (DH) é uma manifestação da doença celíaca de apresentação cutânea. Se trata de uma doença incomum, autoimune, em que o processo biológico de atuação dos anticorpos se assemelha, tanto no ataque a faixa cutânea como no ataque ao intestino. Na cútis existe uma proteína semelhante à do intestino, a transglutaminase epidérmica. Na manifestação cutânea os anticorpos se depositam e as células que se uniriam normalmente, se separam, rompendo a união celular, dando origem a pequenas bolhas, vesículas, que são as lesões características da dermatite herpetiforme. Seu diagnóstico pode ser realizado por meio da imunofluorescência Direta e a dieta sem glúten (DLG) pode ser um auxílio no tratamento eficaz, mas há controvérsias quanto aos benefícios da dieta. O objetivo desse trabalho foi o de identificar, com base nas análises das publicações, quais os métodos de diagnósticos da Dermatite Herpetiforme ou Duhring Brocq Disease (DDB), bem como os tipos de tratamento mais adequados. Foi realizada uma análise bibliográfica de estudos publicados no período de 2010 a 2021 nas bases eletrônicas, Scielo, Google Acadêmico, PubMed e Medline. Pôde-se notar que vários estudos indicaram que o diagnóstico diferencial deve incluir essencialmente escabiose, eczema atópico, eczema de contato e outras doenças bolhosas autoimunes, como dermatose IgA linear e penfigoide bolhoso. Em geral, o diagnóstico pode ser feito com relativa facilidade com base nos achados clínicos e o diagnóstico de certeza se baseia na histopatologia. Em uma análise geral e respondendo ao que foi proposto no objetivo geral, estudos mais recentes relataram que a imunofluorescência Direta e Indireta é padrão ouro para a investigação de DH e uma dieta livre de glúten (DLG) associada ao tratamento sistêmico com o medicamento dapsona é o de escolha e essencial a todos que apresentam essa enfermidade. Alguns estudos mostraram que o papel do dermatologista no diagnóstico dessa patologia é muito importante, pois por meio dos achados cutâneos pode-se chegar ao diagnóstico de uma doença com repercussões sistêmicas. A correção precoce das deficiências nutricionais que podem eventualmente existir, com base em uma dieta sem glúten pode levar à remissão das manifestações cutâneas e dos sintomas intestinais. Conclui-se, então, que algumas pesquisas nos indicam que é preciso se chegar a um diagnóstico mais preciso para que o tratamento seja também mais assertivo. Seguindo essa linha, sugere-se que um maior número de estudos com evidências e comprovações científicas devam ser realizadas com esse intuito.

Descrição

Trabalho de conclusão de curso apresentado à Faculdade Morgana Potrich como requisito para a obtenção do grau de Bacharel em Medicina.

Autor

LIMA, João Antônio Gonçalves
QUEIROZ, Monique Aparecida
GOUVEIA, Léa Cristina (orient.)

Editor

Edição do autor

Data

2021

Direitos

A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor com as seguintes condições: Autorizo a FAMP - Faculdade Morgana Potrich a disponibilizar gratuitamente, sem ressarcimento dos direitos autorais, o documento supracitado, de minha autoria na biblioteca da FAMP para fins de leitura e/ou impressão pela internet, de imediato.

Formato

PDF

Idioma

Português

Tipo

Trabalho de Conclusão de Curso

Arquivos

JOÃO ANTONIO GONÇALVES LIMA, MONIQUE APARECIDA QUEIROZ.pdf

Coleção

Referência

LIMA, João Antônio Gonçalves , QUEIROZ, Monique Aparecida , e GOUVEIA, Léa Cristina (orient.), “Dermatite herpetiforme: os desafios do diagnóstico e tratamento,” REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA FAMP, acesso em 13 de agosto de 2022, http://repositorio.fampfaculdade.com.br/items/show/541.